AZEITES DE ABACATE

SAFRA 2018

oliq-abacate-250

AZEITE DE ABACATE

Azeite de abacate 100% avocado: o puro azeite de abacate; seu sabor, embora mais neutro, evoca cogumelos e defumados. Ideais para uso em molhos, emulsões e para realçar o sabor de alimentos.

oliq-abacate-com-limo-250

AZEITE DE ABACATE AROMATIZADO COM LIMÃO SICILIANO

Condimento à base de azeite de abacate e limão siciliano: é preparado com o azeite 100% avocado e cascas de limão siciliano; ideal para a finalização de peixes e carnes brancas, bem como para saladas.

UM AZEITE COM A CARA DO BRASIL

Todos os azeites de OLIQ harmonizam com o Brasil.

Mas existe um tipo que é a cara dos brasileiros: o produzido com os frutos do abacate. Afinal, que casa, que sítio, que quintal não tem um abacateiro?

Esse azeite é feito do mesmo modo que o de oliva. Todos são feitos a partir do suco das frutas. Depois se separam o óleo presente nesse suco – pois são frutas que possuem alto teor de gordura – do restante (polpa e água). É só isso, pois uma das características que definem o que é azeite é esse processo de extração que em nenhum produto químico entra.

Os azeites de abacate são mais neutros, embora tenham um sabor que lembra o de cogumelos defumados. É excelente para realçar o sabor dos mais diferentes pratos.

AZEITE DE ABACATE: UM ALIMENTO SAUDÁVEL

O consumo de azeite de abacate está associado a uma expressiva redução de glicemia, colesterol total, LDL-colesterol, triglicérides. Está também associado a uma melhoria das taxas de insulina, bem como a uma diminuição dos riscos de aterosclerose.

Num experimento com seres humanos que consumiam o azeite, pela manhã, no lugar da manteiga, esses resultados se mostraram significativas. Trata-se de pesquisa realizada por Cibele Priscila Busch Furlan, desenvolvida junto à Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Unicamp e concluída na Universidade de Lund, na Suécia. No trabalho também se encontra uma revisão da literatura a respeito dos benefícios dos azeites.

QUAL A HISTÓRIA DESTE AZEITE?

Ao que tudo indica, foram os neozelandeses que iniciaram a produção de azeite de abacate. Hoje, o Chile se destaca como um dos maiores produtores e exportadores, para os EUA e para a Europa.

Como a safra do azeite de oliva é anual, todo o maquinário tende a ficar sem uso no restante do ano. É por essa razão, dentre outras, que os produtores chilenos passaram a extrair esse azeite: é, assim como aqui, uma fruta que produz em abundância e cuja extração, no caso brasileiro, se faz justamente a partir do segundo semestre do ano, enquanto a safra de oliveiras ocorre nos três a quatro primeiros meses do ano.

MAS AZEITE NÃO É DE AZEITONA?

Como Portugal e toda a Península Ibérica foram ocupadas tanto pelos romanos como pelos árabes, nossa língua tem palavras que vêm do latim e do árabe.

Pelo árabe, temos as palavras azeite e azeitona; pelo latim, temos os termos óleo, oliva, oliveira, olivicultor.

Assim, tanto óleo como azeite designam originalmente o produto feito com azeitonas (ou olivas).

Em alguns países, como os de língua castelhana, se usa azeite para tudo: até para o óleo de carro – é o “aceite de coche”.

No Brasil, o termo azeite se consagrou apenas para os óleos de oliva e para o de dendê. Agora é hora de consagrar outro uso: azeite de abacate. Segundo consultores do Departamento de Óleos e Gorduras da Unicamp, os óleos extraídos de frutas devem ser denominados “azeites”; os de grãos, óleos; os animais, enfim, “gorduras”.

Pela legislação brasileira, além disso, aqueles óleos extraídos apenas por processos mecânicos são os “azeites”. Aqueles que são refinados ou são submetidos à ação de processos químicos na extração são os óleos.

Feito com fruta, por processos mecânicos, extraído do suco da fruta, esse azeite de abacate merece seu nome.

lagar oliq
lagar de Oliq
lagar oliq
em Oliq

Start typing and press Enter to search